Biotecnologia: a conexão com a Natureza não para de evoluir.

Celular ao lado da folha de uma planta

Plantas ciborgues já são uma realidade, tornando nosso mundo ainda mais conectado. E você, já está preparado para ter uma planta robô em casa?

Imagina a situação: você está em casa assistindo televisão quando, do nada, surgem barulhos estranhos. São sons de engrenagem, algo se movendo, meio estabanado, mas em busca de algo. Você levanta para ver e, quando menos se espera, se depara com a sua planta tentando buscar um pouco de luz, para fazer aquela fotossíntese básica. Só mais um dia normal. É isso mesmo que você acabou de ler: planta que se movimenta por conta própria. Anda. Corre. Pensa. E não estamos falando de um filme de Steven Spielberg. Isso já é algo natural nos dias de hoje.

O digital está se misturando com o vegetal. E esse encontro inusitado, está dando muito certo, trazendo cada vez melhores resultados, não só no campo científico, mas fazendo parte do nosso dia a dia, pois cada vez mais aplicativos e outros gadgets ajudam a melhorar nossa relação com a flora.

Mãe, a planta está andando!

Você já ouviu falar do Elowan? Elowan é uma espécie de antúrio, com folhas grossas na cor verde escura com uma linda flor rosa. Elowan (Elo para os íntimos) não se limita apenas ao seu espaço, ou ao seu vaso branquinho, sua terra adubada com húmus de minhoca e nutrientes naturais. Elowan é um ciborgue. Ci-bor-gue! 

Você deve estar se perguntando: o que é um ciborgue??? Ciborgue é um organismo com partes orgânicas e mecânicas, em que a engrenagem é inserida com a finalidade de melhorar suas capacidades utilizando tecnologia artificial. 

Sim. Elowan pensa. Não só pensa, como age. Se o sol está vindo do Leste, esse robô pega suas rodas e se dirige para apreciar uma luz, por conta própria, todo independente. O sol está se pondo? O antúrio corre para o Oeste. Graças aos seus sensores, ele consegue interpretar sinais elétricos internos e o conduz na direção da luz. Ele foi criado no grupo de Interfaces Fluidas do MIT, o famigerado e renomado Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Segundo seus desenvolvedores, o robô é uma tentativa de demonstrar o que poderia significar o aumento da capacidade da natureza por meio de tecnologia aplicada.

Outro exemplo de interatividade entre planta e metal, é o Matadero Madrid, que possui um jardim ciborgue completo, cheio de plantas robôs, com seus sensores, que são capazes de medir oscilações elétricas das plantas conectadas, mostrando suas reações bioquímicas quando seres vivos estão próximos, e o próprio ambiente em que vivem. Essas informações são processadas, computadorizadas e traduzidas em vibrações, movimentos e sons. Esses complexos sistemas, tanto o do Elowan, quanto do jardim madrilenho, são definidos como botânica ciborgue: uma disciplina que permite a apropriação da capacidade natural das plantas para as nossas funções de interação. 

Mas, afinal: o que é biotecnologia?

Para quem ainda não stalkeou sobre o assunto, a biotecnologia é uma área de estudo e desenvolvimento da ciência que utiliza técnicas de manipulação de organismos vivos, modificando eles em laboratório para servirem na criação e melhoria de técnicas e produtos. 

Um excelente exemplo de aplicação da biotecnologia em algo que está presente no nosso dia a dia foi a criação de organismos geneticamente modificados. O famoso transgênico. 

Outro exemplo mais atual é o Elowan, que faz parte de um conceito contemporâneo, tanto quanto ele: o Cyborg Botany. Os cientistas alegam que é um novo jeito do ser humano interagir com a natureza, já que a domesticação de plantas já vem de longa data. 

As plantas são sinais de redes ativos, o que resulta, basicamente, na sua própria automação de vida: ela se alimenta, se regenera, se constrói: independente, sozinha. Agora, pense nisso em grande escala. As plantas têm os melhores recursos que um dispositivo eletrônico pode carregar. Em vez de construir sistemas complexos, porque não aproveitar os recursos existentes na própria natureza?

Falando em biotecnologia: que tal comprar uma capinha pro seu smartphone repleta de flores, hein?! #FicaDica 😉 

IoT: o futuro está presente.

Não tem como falar de revolução tecnológica sem citar o conceito da Internet of Things (IoT). 

Podendo resumir algo tão complexo, a Internet das Coisas é o jeito como os objetos físicos estão conectados e se comunicando entre si e com as pessoas, através de sensores inteligentes e softwares que transmitem dados para uma rede na nuvem. Fazendo uma analogia ao sistema nervoso humano, em que podemos ver a troca de informações entre dois ou mais pontos.

Suas características e funcionalidades vão desenhar o futuro da humanidade de um jeito inimaginável, já que suas possibilidades são inúmeras. Isso vem transformando a relação que o ser vivo tem com a tecnologia, transformando o modo como as coisas se interagem. Cientistas batem na tecla de que o resultado disso vai ser um planeta mais inteligente e responsivo. E as possibilidades são infinitas.

Smart Cities.

Somando os avanços tecnológicos com o armazenamento de dados – o core da Internet das Coisas -, já é possível desenvolver sistemas de transporte, de controle de resíduos, de energia, entre inúmeras outras utilidades que fomentam o ambiente e infraestrutura em que vivemos.

Wearables.

Com a chegada dos wearables (tecnologia vestível), nosso leque de gadgets se estende um pouco mais. Além dessas roupas, a gente consegue interagir e colher informações desses sistemas inteligentes usando nossos smartphones, relógios e computadores, criando uma rede de comunicação entre os sistemas. Por exemplo, você pode usar uma camiseta que conversa com o seu celular e avisa a hora que você deve beber um copo de água, pois o seu corpo já perdeu uma quantidade de líquido considerável.

Incrível, não é mesmo? Mais incrível ainda é se o seu smartphone tiver uma capinha dessas daqui, ó, para deixar ele, além de moderno, mais bonitão! 😛

Apps plantas

A gente não podia deixar de falar dos aplicativos para celular que já interagem com as plantas. Existem inúmeras opções de apps para você identificar qualquer espécie, plantar, regar e até saber a hora certa de regar. Muito útil para quem tem uma hortinha em casa. 

Os mais baixados são: Plantit, Gargen Answers Plant Identification, Plantix, MeuJardim, Plantnet, Gardenia e Leafsnap. Sem contar os variados sites, tantos nacionais, como os internacionais, repletos de informações.

Para reconhecer uma espécie, é só apontar a câmera do seu celular para a sua planta favorita e saber todas as informações sobre ela. E se você tirar uma foto, pode colocar na sua capinha personalizada da Decoskin. Quer aprender como? Clique aqui e faça uma capinha com a sua cara agora.

E aí? O que achou? Conta pra gente nos comentários. Diz se teria uma pet planta em casa. 🙂

Ah! Ficou interessado? Veja mais aqui.
Até o próximo. ;*

Deixe uma resposta